segunda-feira, 19 de novembro de 2012

TRAZENDO A MEMÓRIA O QUE ME PODE DAR ESPERANÇA


Lm.3: 21  “Disto me recordarei no meu coração; por isso tenho esperança”.
                 Muitas vezes experimentamos momentos difíceis em nossa vida, onde nos parece que uma montanha de problemas e situações variadas caem sobre nós, e temos a impressão que nos irão afogar. Olhamos para os lados e não vemos solução, aí vem o desespero, e a ansiedade.
               O profeta Jeremias ao escrever Lamentações, também estava passando por uma etapa difícil de sua vida, ele amargava perdas, decepção, desilusão, e profunda tristeza, que chegou a dizer: Torrentes de águas derramaram os meus olhos... Lm.3:48 . O seu lamento tinha uma causa, ele via a ruína de Jerusalém, a fome, a aflição do povo, finalmente a humilhação de Jerusalém; ele em lágrimas clamava: Não vos comove isto a todos vós que passais pelo caminho? Atendei, e vede, se há dor como a minha dor, que veio sobre mim, com que me entristeceu o Senhor; no dia do furor da sua ira. Lm.1; 12. Acontece que Israel sofria à causa de seu próprio pecado, a cidade foi queimada e os judeus levados cativos à Babilônia. Porém em meio a essa tristeza, Jeremias parou para pensar: por que estou aflito e angustiado por algo que não posso resolver? Neste momento, vale a pena chorar? Tomou uma decisão: Vou trazer à memória, somente aquilo que me dá esperança. Aleluia!
            A nossa mente pode reter coisas boas ou más, dependendo daquela que damos preferência em armazenar. A mente não pode estar vazia ou ociosa, porque se torna presa fácil para o inimigo
Davi estava sem fazer nada, enquanto os seus comandados estavam lutando, a sua mente estava completamente disponível, passeava no alpendre do palácio, viu a mulher que se banhava, foi um passo, para que o desejo carnal afluísse em sua mente. O pecado se inicia na mente, ela funciona como uma”incubadora”, e ali fica esperando o momento da consumação. “...havendo a concupiscência concebido, dá  à luz o pecado; e o pecado, sendo consumado, gera a morte.” Tg.1: 15. É na nossa mente onde acontece o clássico Bem X Mal. Para que vença o Bem é necessário o exercício da renovação da mente. (Rm.12:2) buscando as coisas que são de cima.(Cl.3:1) . Fl.4:8 diz: ”Quanto ao mais, irmãos, tudo o que é verdadeiro, tudo o que é honesto, tudo o que é justo tudo o que é puro tudo o que é amável tudo o que é de boa fama, se há alguma virtude, e se há algum louvor, nisso pensai.” Aprendemos lindas lições com as coisas que nos acontecem; às vezes nos perguntamos: Por que Ele permitiu? Se Ele permitiu, é porque existe um propósito de vida para os filhos de Deus, Ele muda os nossos fracassos, em vitória, a nossa fraqueza, em força, e os nossos desertos em oásis. Aleluia!Vamos inundar a nossa mente e coração de acontecimentos que nos trazem esperança.
A nossa conversão: a mudança de vida que experimentamos a partir do momento que entregamos nossa vida a Jesus.
As nossas orações respondidas: naquele momento difícil quando clamamos por socorro, e o socorro veio do céu, e nós vencemos.
Os grandes livramentos: quando as trevas pareciam querer envolver-nos, o Senhor colocou a Sua mão e nós escapamos.
As curas divinas, o emprego, o diploma, o casamento, o filho, tanto tempo esperado, o imóvel, a conversão de um parente, por quem orávamos uma causa na justiça, etc. Todas estas coisas devemos trazer á memória porque elas nos dão esperança. A nossa mente não deve estar ocupada com ódio da pessoa que nos humilhou, com raiz de amargura, pensamentos revoltosos e vingativos, porque eles fazem mal, vão bloqueando e fossilizando o nosso coração, impedindo-nos de amar e liberar perdão. Muitas pessoas estão doentes, depressivas, com doenças psicossomáticas, porque não souberam lidar com estes agentes do mal.
Outra coisa que nos trás esperança é compartilhar com a nova geração, filhos, netos, os feitos do Senhor, como fez Azafe:”...temos ouvido e sabido, e nossos pais no-los têm contado.Não os encobriremos aos seus filhos, mostrando à geração futura os louvores do Senhor, assim como a sua força e as maravilhas que fez. Para que a geração vindoura a soubesse; os filhos que nascessem se levantassem e a contassem a seus filhos; para que pusessem em Deus a sua esperança...”(Sl.78:3,4,6,7). Traz-nos esperança os fatos que enriquecem a nossa fé, como as vitórias da igreja em meio às perseguições, testemunhos de homens que foram verdadeiros heróis, que nunca negaram a sua fé.
Quero trazer à memória o que me pode dar esperança, uma delas é que Deus não se esquece de nós, não existe a mais remota possibilidade de que ele nos esqueça, pois nós estamos registrados na sua memória eterna, e as suas misericórdias não tem fim, porque elas se renovam a cada manhã. Isso renova a nossa esperança!      
SHALON ADONAI!
           Rosa Maria Cunha   -   rosamariacunha2012.blogspot.com.br 

sexta-feira, 2 de novembro de 2012

JOVEM, COMO VAI O SEU RELACIONAMENTO COM SEUS PAIS?


                     “Honra teu pai e a tua mãe que é o primeiro mandamento com promessa”. Ef.6:2

Como vai o seu relacionamento com a sua família? Deus me tem dado oportunidades de estar com grupo de mulheres, orar e compartilhar com elas as lutas e as vitórias; algumas delas chorando falam a respeito dos filhos que se tornaram desobedientes, causando sérios problemas no lar. Mães acusam os filhos de desonra, desprezo, indiferença, engano e envergonhar-se dos pais. Alguns filhos, criados no evangelho, outros, tocam, cantam, participam de grupos jovens, assumindo uma postura de dupla personalidade; uma na igreja e outra bem diferente no lar. Alguma coisa deve estar errada, não pode jorrar dois tipos de água de uma mesma fonte. A Bíblia manda honrar o pai e a mãe e não amaldiçoar.
Talvez você me pergunte, e o que é honrar? È respeitar, tratar com distinção, estima e reverência.
O lar foi a primeira instituição criada por Deus, ele oferece proteção e equilíbrio aos filhos, à família e cria vínculos de companheirismo. Existe no lar um princípio de autoridade dado por Deus e que estabelece limites mantendo-o estável e harmonioso. Quando essa autoridade não acontece, gera confusão e anarquia.
Existe também no lar, uma hierarquia que precisa ser respeitada, o pai, é o sacerdote, a cabeça, o provedor (ainda que haja esposas que trabalhem e aportem para a família), porém, nada tira o direito sagrado do chefe de família. Ambos não podem tirar a autoridade devida um ao outro, dentro do lar, ou então estarão pecando contra os princípios estabelecidos por Deus. Em Dt. 27: 16 diz: Maldito aquele que desprezar seu pai e sua mãe. Essa palavra maldito, é muito forte, e maldição não ficou para os filhos de Deus, mas é o que a palavra de Deus afirma. Os filhos devem refletir muito e tomar uma posição de verdadeiro Filho de Deus. De que forma estamos prestando o nosso culto a Deus? Não podemos prestar um culto agradável a Deus, quando o nosso procedimento não é bom, e nós, como filhos de Deus, somos os prestadores de culto a Ele, por isso devemos preocupar-nos em como levar a Deus o nosso sacrifício de louvor.
Os nossos pais vivem conosco, torcem por nós, aplaudem as nossas vitórias, confortam-nos nas derrotas, oram por nós. Jovens ou adultos precisam estar atentos para a lei da semeadura: Tudo que o homem semear, isso vai colher, porque a terra só produz aquilo que semeamos. Existem muitos jovens depressivos, iracundos, e infelizes, morrendo prematuramente. Por quê? Mt. 15:4b...quem maldisser seu pai ou a sua mãe certamente morrerá. Veja bem esta sentença; Muitos adultos também sofrem doenças graves, porque não aprenderam a perdoar, também ficaram devendo honra a seus pais, e a lei da semeadura é implacável e continua se cumprindo.
E o desprezo? Muitos pais são desprezados dentro do próprio lar, outros são deixados pelos filhos nos asilos, e lá não voltam mais. Que tristeza! Outros são desrespeitados dentro da própria casa por eles construída. ”Maldito aquele que desprezar seu pai e a  sua mãe”.
E a indiferença? O filho entra e sai e não diz: Bom dia, como passou a noite? Você está bem? Não sejam indiferentes com seus pais, eles amam vocês, conversem, contem seus projetos, compartilhem o seu dia a dia; Em Israel, as cãs de um idoso são da mais alta estima e consideração. Na Itália, os idosos são tratados com muito respeito, nos eventos sociais, culturais e artísticos, isso é honrar. Davi honrou os seus pais cuidando deles, 2 Sm. 22:3... Deixa estar meu pai e minha mãe convosco, até que saiba o que Deus há de fazer de mim. Um filho abençoado honrando os seus velhos pais. Não engane os seus pais, não existe nada mais triste que ser enganado. Deus está vendo e a lei da semeadura está de pé: Tudo que o homem semear isso vai colher. Certo pai se queixava: Não tenho vontade de voltar para casa, quando eu falo meus filhos riem e me corrigem porque falo errado, lá no trabalho todos me ouvem e me respeitam. Honra o teu pai e a tua mãe para que se prolonguem os teus dias sobre a terra.
É comum ver-se, nas formaturas, os filhos orgulhosos e felizes conduzidos por paraninfos, e não pelos seus pais, Por quê? Alguns sentem vergonha de seus pais, porque não se expressam corretamente: Nós foi, nós veio, nós viu. Não esqueçam que aquele idoso foio grande herói, que suou a camisa, se sacrificou e investiu em você, hoje se você está sendo laureado, foi a custa do sacrifício dele. Honrem os seus pais, orem por eles, tenham-nos em alta estima e anos mais tarde, vocês irão colher nos seus próprios lares os frutos daquilo que vocês plantaram. Shalon Adonai!
                           Rosa Maria Cunha  -  rosamariacunha2012blogspot.com.br

segunda-feira, 8 de outubro de 2012

O PRUMO NA MÃO DE DEUS



“Mostrou-me também assim: e eis que o Senhor estava sobre um muro levantado a prumo: e tinha um prumo na sua mão.
E o Senhor me disse: Que vês tu Amós? E eu disse: Um prumo. “Então disse o Senhor: Eis que eu porei o prumo no meio do meu povo Israel”. Am. 7: 7,8

Estamos de passagem por este mundo, peregrinos somos, a cada dia enfrentamos desafios  e chegamos a perguntar: Será que Deus está me provando? Ou o que está querendo me ensinar?

Na verdade os olhos de Deus nunca se apartaram de nós; como um pai cuidadoso, ele a  cada dia quer ensinar-nos algo novo, fortalecer a nossa fé, influenciar no fortalecimento do nosso caráter cristão, e fazer-nos caminhar em retidão.

Há lições fáceis de assimilar, outras são mais difíceis, isso não quer dizer que Deus tenha prazer em ver-nos aflitos ou amargurados  para então nos ensinar lições novas, mas é fato que ele nos ensina através das turbulências que enfrentamos. Tribulações podem transformar-se em grandes lições de vida, que nos ajustam e nos nivelam segundo a sua vontade.

Amós foi um profeta de Deus no 8º  século AC. Na  terceira visão que ele teve, viu o Senhor medindo Israel com um prumo (um cordão com um pêndulo em uma das extremidades). O prumo é usado pelos construtores para manter a verticalidade das paredes.  Naquele ato revelava o exame feito por Deus sobre a conduta de Israel, pois ele havia feito uma planta original para o seu povo. Porém no exame Israel foi encontrado fora do prumo.

Em uma construção muitas ferramentas são usadas, grandes e pequenas, mas o prumo é uma das mais simples e mais baratas, mas de uma importância impar, tanto que, é a que mais se utiliza, e sem ela não se pode construir um prédio, uma casa, uma parede. Um prédio levantado sem prumo não tem segurança, fica torto, oferecendo perigo para quem está dentro ou próximo a ele, pois a qualquer momento poderá ruir.

A Bíblia é o prumo de Deus que verifica se estamos no nível ou não, ela afere  a nossa conduta, o nosso proceder. O crente que está esperando a volta de Jesus precisa estar no prumo de Deus, no nível da Palavra. Não podemos viver dos “achismos”, mas segundo a verdade, e a Palavra de Deus é a verdade. Jesus na oração sacerdotal disse: ”Santifica-os na verdade, a tua Palavra é a verdade”Jo. 17: 17

Muitos cristãos envergonham o Evangelho, seguindo a corrente do mundo, se nivelando ao mundo, se identificando com o mundo e suas paixões, levando uma vida de derrotas, com altos e baixos; porque não aceitam ser aferidos e nivelados pela Palavra de Deus. O nosso espírito, alma, e corpo precisam estar no nível da vontade de Deus.

Deus está com o seu prumo na mão, sobre um muro levantado a prumo, segundo a visão; isso fala de segurança, firmeza. Qual seria o resultado se fossemos examinados pelo prumo de Deus? É uma boa pergunta; cada um examine-se a si mesmo, e responda para si mesmo. Se o prédio está torto, vamos derrubá-lo ou implodi-lo, reconstruindo-o pela planta original com o prumo de Deus. Prédio reconstruído, decoração se faz necessária: o amor, o perdão, a misericórdia, a bondade, a benignidade etc. O mundo está carente destas virtudes, e quem lhes poderá oferecê-las? Nós, como povo escolhido de Deus.

Breve Jesus voltará para levar o seu povo, estarão de fora os que estão fora do prumo e não queiram ser reedificados. Ainda é tempo, “Humilhai-vos pois debaixo da potente mão de Deus, para que a seu tempo vos exalte. 1 Pe. 5: 6   
Shalon Adonai.
                                                       Rosa  Maria Cunha    ( rosamariacunha2012.blogspot.com.br )

domingo, 7 de outubro de 2012

O ATLETA CRISTÃO


  Não sabeis vós que os que correm no estádio, todos, na verdade, correm, mas um só leva o prêmio? Correi de tal maneira que o alcanceis.  E todo aquele que luta de tudo se abstém; eles o fazem para alcançar uma coroa corruptível, nós, porém, uma incorruptível. Pois eu assim corro, não como a coisa incerta: assim combato, não como batendo no ar.”   1 Co. 9: 24- 26
Há poucos dias os olhares do mundo estavam voltados para Londres, onde se realizaria as famosas Olimpíadas de 2012. Víamos o entusiasmo e o empenho dos participantes, alem do sonho de conquistar uma medalha de ouro, prata ou bronze.
Muitos atletas passaram grandes dificuldades para chegar ao lugar das Olimpíadas, por falta de recursos ou de patrocínio; porém todo sacrifício era válido, para participar da competição.
Olhando para o passado, para a Grécia antiga, berço das Olimpíadas; veremos multidões agitadas por uma de suas maiores paixões. Ali se reuniam centenas de atletas para disputar, aplausos, fama, alem de um prêmio, uma coroa ou grinalda. É provável que o apóstolo Paulo conhecesse profundamente os costumes e a cultura daquele povo se sentisse motivado ou contagiado pelos acontecimentos decorrentes, ao escrever aos irmãos de Corinto como acima vemos. Ele fala em duas modalidades que ali se disputava: a corrida e a luta. Na vida cristã não é diferente nós estamos em uma corrida que nos foi proposta, e todos querem chegar à meta, ao nosso alvo; Temos pela frente uma luta constante em que os covardes não suportam e desistem, porém os valentes  de Jeová persistem nela até o gongo tocar e chegarmos  a nossa completa vitória, pois ela não é contra carne e sangue, mas contra principados e potestades.
Portanto nós também, pois, que estamos rodeados de uma tão grande nuvem de testemunhas, deixemos todo embaraço, e o pecado que tão de perto nos rodeia e corramos com paciência a carreira que nos está proposta.” Heb. 12: 1. Como bons atletas, precisamos estar livres dos embaraços desta vida, a fim de que nada nos impeça concluir o nosso objetivo. O mundo nos olha de perto, nossa conduta, nossa postura, enfim, o nosso dia a dia.
Não ambicionemos aplausos e reconhecimentos, pois as nuvens de testemunhas esperam que sejamos diferentes e nesse estádio que em grego quer dizer “campo de corrida”, somos muitos e ao contrário dos atletas gregos, em que um só levava o prêmio, todos os que chegarmos à Meta, seremos vencedores e coroados. “Assim brilhe a vossa luz diante dos homens, para que vejam as vossas boas obras, e glorifiquem a vosso Pai que está nos céus.” Mt. 5: 16. Podemos avaliar o valor da luz, quando repentinamente falta a energia elétrica, as trevas tomam conta do ambiente; da mesma forma podemos avaliar o valor do nosso testemunho e a sua extensão diante do mundo, é, portanto nossa responsabilidade dissipar as trevas que estão ao nosso redor.
Existe uma modalidade de corrida com obstáculos: um, dois, três, obstáculos, alguns tropeçam e caem; na nossa corrida, como Atletas Cristãos, e participantes dessa Olimpíada permanente da Fé, não são menores os obstáculos que se nos interpõem, pois o diabo o nosso grande adversário procura nos desestimular, desanimar, e fragilizar a fim de deixarmos a carreira inconclusa. Porém o Espírito Santo nos lembra que o reino dos céus é tomado com esforço, respiramos fundo, e o próprio Espírito nos sussurra, “...correi de tal maneira que alcanceis.”
Há os que se alistam somente para participar, porém sem compromisso, e para esses qualquer resultado satisfaz, por isso não observam disciplina, nem normas e muito menos treinamento; é apenas um participante em meio aos outros.
Há no Brasil uma maratona famosa chamada São Silvestres, no dia da corrida os canais de TV se posicionam para fazer a cobertura, milhares de pessoas se acotovelam na disputa de serem filmadas e assim terem seus segundos de fama. Após a arrancada vão desistindo e ficando pelo caminho. Mas em meio a esses estão os verdadeiros atletas, que suam a camisa, perdem peso, mas nada os faz desistirem, esses têm compromisso com o seu nome, e com o país que representam; “Sê fiel até a morte, e dar-te-ei a coroa da vida” Ap. 2:10
Para ser um atleta e disputar a Olimpíada Cristã, é necessário: disciplina, obedecer a normas, exercício, e abster- se  das coisas desta vida. “Esquecendo-me das coisas que atrás ficam, e avançando para as que estão adiante de mim, prossigo para o alvo, pelo prêmio da soberana vocação de Deus em Cristo Jesus.”Fp.3: 13, 14
Se queremos subir ao Pódio, como um bom Atleta Cristão, precisamos pagar o preço, lutar legitimamente a fim de não sermos envergonhados.   
Rosa Maria Cunha


     
     

domingo, 23 de setembro de 2012

O TRIUNFO DO AMOR



Os capítulos 52 e 53 do livro do profeta Isaias, retratam um dos quadros mais belos da Bíblia. Trata-se do amor de Deus na sua manifestação mais sublime: como pasmaram muitos à vista dele, pois seu parecer estava tão desfigurado, mais do que outro qualquer. (52:14) Mas Ele foi ferido pelas nossas transgressões, e moído pelas nossas iniqüidades: o castigo que nos trás a paz estava sobre Ele e pelas suas pisaduras fomos sarados (53:5). 

Diz-se que a narrativa desses dois capítulos é tão vívida nos pormenores que quase se diria ter estado Isaías ao pé da cruz; os fatos são tão claros que ele colocou a narrativa no passado como se já houvesse acontecido. É bom esclarecer que o livro do profeta Isaias foi escrito cerca de 700 anos antes do Calvário. 


Só mesmo a ação direta do Espírito Santo poderia fazer com que fosse montado todo o cenário do Calvário para o Triunfo do Amor. O próprio profeta Isaías já vaticinava no capítulo 9 a respeito do advento do Messias, e no versículo dois diz: “O povo que andava em trevas, viu uma grande luz, e sobre os que habitavam na região da sombra da morte resplandeceu a luz.” Ele acompanha desde a anunciação até ao Calvário onde culminaria a ação máxima do Triunfo do Amor. 

Voltando a falar da trajetória de Jesus, nós podemos dizer que ele sabia da sublimidade de sua missão, no entanto, esperou pacientemente o cumprimento do tempo de Deus, o Pai, como diz Paulo em Gl.4:4,5 “Mas vindo a plenitude dos tempos, Deus enviou seu Filho, nascido de mulher, nascido sob a lei, para remir os que estavam debaixo da lei, a fim de recebermos a adoção de filhos”. Isso é amor! 


O jovem Galileu enquanto aguardava o tempo do Pai exercia as suas funções na carpintaria: cortando paus, serrando madeira, fazendo cadeiras, bancos, mesas etc. Tinha as suas mãos calejadas pela dureza do trabalho que era totalmente artesanal, por isso mesmo Isaías 53:3 Diz:”...homem de dores experimentado nos trabalhos...”. O povo que vivia no bairro não o conhecia, os que compravam seus móveis, não o conheciam, até que um dia ele fecha a carpintaria, joga o seu manto sobre os ombros e caminha ao Jordão, ali no ato de cumprimento de toda a justiça de Deus, ele teve o testemunho do Pai: “Este é o meu Filho Amado, em que tenho prazer”. 


Trinta anos de idade, três anos de ministério. Dez anos de preparação para cada ano de ministério; amado por muitos, perseguido por outros, porém nada e ninguém podem impedir o Triunfo do Amor. O ministério de Jesus teve a sua marca registrada: o Amor. 


Vivemos hoje em uma época de grande desamor, a maior crise que o mundo atravessa não é a pobreza, não é a fome, é a falta de Amor. Por que há tanta guerra? Ataques terroristas? Mortes? Por quê os interesses políticos, econômicos e até sociais afloram tão veementementes? É a falta de Amor. “O amor tudo sofre, tudo crê, tudo espera, tudo suporta.”(l Co. 13: 7 ) 


Hoje se mata até em nome de Deus, da religião, da liberdade, da paz, mas a religião de Jesus, que ele ensinou e viveu foi o Amor, e quem ama não mata. Enquanto os homens matam os seus inimigos, Jesus morreu por eles. “PORQUE Deus amou ao mundo de tal maneira que deu Seu Filho Unigênito, para que todo aquele que nele crê, não pereça, mas tenha a vida eterna” Jo. 3: 16 Isto é fazer triunfar o Amor que foi derramaUdo em nossos corações através de Cristo Jesus.


Na oração sacerdotal Jesus disse: "E glorifiquei-te na terra  tendo consumado a obra que me deste a fazer” Jo. 17: 4. Ele consumou a Obra dando o grande brado na cruz: Está consumado. Toda a terra se abalou, o sol escureceu, mortos ressuscitaram pela força daquele brado. Os que estavam ao pé da cruz, inclusive o centurião, ficaram assustados porque nunca tinham visto um homem morrer tão cheio de vida. Era o Triunfo do Amor. Após três dias , o mesmo Jesus ressuscitou com poder e grande glória, para que nós os beneficiários de tão grande sacrifício vivêssemos de triunfo em triunfo e de vitória em vitória , semeando o Amor, a União e a Paz. SHALON ADONAI!
Rosa Maria Cunha

segunda-feira, 17 de setembro de 2012

REFLEXÃO DE KAREEN GIOVANA F. CUNHA MAGALHÃES


Hoje pela manhã, a caminho da Embaixada, enquanto enfrentávamos o trânsito pesado da EPTG, me encantei observando os ipês floridos... amarelos, cor-de-rosa, brancos... todos incrivelmente lindos! Como essas árvores poderiam ficar tão lindas e floridas em um tempo tão seco como este em Brasília? Só mesmo por uma pré determinação de um maravilhoso Criador, que através de pequenas coisas nos traz grandes lições. 

Pesquisei no Wikipédia sobre essa espécie de árvores e duas características dela me chamaram a atenção: Quanto mais frio e seco for o inverno maior é a intensidade da sua florada, e, suas raízes de sustentação e absorção são vigorosas e profundas.

Nesse tempo prolongado de sequidão em Brasília, seca-se a pele, o cabelo, seca-se a erva e todos ficamos ansiosos pela chegada dos primeiros dias de chuva que nos trazem um novo clima, um novo alento e uma nova cor. 

Podemos comparar os dias de seca em Brasília, aos dias difíceis em nossas vidas. Tempo de lutas, tempo de dores, tempo de caminhada dura. Quando seca-se a alma, a fé e os sonhos. Tempo em que nos sentimos como a própria terra seca que anseia pela chuva. Muitas vezes esse período de sequidão se prolonga tanto em nossas vidas que parece murchar até mesmo as esperanças de uma primavera. Ficamos como o povo levado cativo à Babilônia, nem canção há mais em nossos lábios. Como seria possível alegrar-se em tempos difíceis? Como seria possível florescer em dias tão secos? 
Em Salmo 92, versículo 13 diz: "Os que estão PLANTADOS na casa do SENHOR florescerão nos átrios do nosso Deus". Essa é a receita! Vejam o quanto isto é importante. Para que uma árvore esteja plantada é necessário que tenha raízes, pois são elas que dão sustentação à árvore e transmitem os nutrientes necessários ao tronco, galhos e folhas. Para florescer, nós também precisamos estar arraigados à presença de Deus recebendo o alimento necessário, o ensinamento das Escrituras que é a nossa água. A palavra do Senhor diz que os que tem prazer n’Ele são como árvores plantadas junto a corrente de águas. São essas águas, é a Sua palavra que manterá viva a nossa esperança mesmo em dias de estiagem, quando tudo afora parecer seco e sem vida. E não é uma questão de otimismo, mas de esperança viva, real! Há uma frase de Rubem Alves que diz “esperança é o oposto do otimismo. Otimismo é quando, sendo primavera do lado de fora, nasce a primavera do lado de dentro. Esperança é quando, sendo seca absoluta do lado de fora, continuam as fontes a borbulhar dentro do coração.” Eu diria que essa fonte é a Palavra do Senhor! Essa era a fonte que borbulhava no coração de Habacuque e o permitia declarar “Ainda que a figueira não floresça, nem haja fruto na vide, o produto da oliveira minta e os campos não produzam mantimentos... Todavia eu me alegrarei no Senhor. Exultarei no Deus da minha salvação!” 
Em Isaías 35 Ele diz “o deserto e o lugar solitário se alegrarão; e o ermo exultará e florescerá como a rosa. Abundantemente florescerá, e também jubilará de alegria e cantará”. Temos promessas do Senhor. Apeguemo-nos a cada uma delas e floresceremos o ano inteiro! Beijos!!

domingo, 16 de setembro de 2012

COLECIONANDO PÉROLAS


 “Outrossim o reino dos céus é semelhante ao homem, negociante que busca boas  pérolas; E, encontrando uma pérola de grande valor, foi, vendeu tudo quanto tinha, e a comprou.” Mt.13: 45, 46
          As pérolas sempre foram amadas, veneradas e desejadas durante toda a história da  civilização; elas representavam poder e riqueza. Quando criança eu gostava de ouvir muito a respeito dos piratas dos mares. Homens que navegavam em grandes barcos em busca de tesouros que podiam estar até mesmo no fundo do mar. Eles sonhavam em encontrar um baú cheio de ouro e pedras preciosas, dentre elas as belíssimas e valiosíssimas pérolas.
          A Bíblia se reporta a esta pedra preciosa, comparando o seu valor ao Reino dos céus em que um negociante ou comprador dessa riqueza, ao encontrar uma de grande valor, vai , vende tudo que tem para adquiri-la. Isso nos mostra o valor de uma pérola. Para alcançarmos o Reino dos céus é preciso atitude, determinação e investimento; abrir mão de coisas secundárias desta vida como: prazeres pecaminosos, posição social, status etc. para alcançá-lo.      A pérola é fruto  do sofrimento de um molusco, chamado ostra; como pode o sofrimento, e a prova, gerar riqueza? A pérola é a única jóia feita de dor, sofrimento e morte. Interessante é, que o sofrimento como um simples grão de areia se transforma em uma jóia de grande valor . Esse animal tão pequeno é o protagonista deste exemplo; ocorre quando ela é atacada por invasores externos como um grão de areia ou certos parasitas que perfuram a concha e penetram no seu interior chamado manto, produzindo grande irritação, dor e incômodos. Começa então uma grande batalha, ela se defende produzindo uma secreção chamada nácar (carbonato de cálcio) ou Madri-pérola que lubrifica o grão de areia, aliviando o seu sofrimento, esse processo é repetido várias vezes e cada vez a secreção vai aderindo ao grão de areia que vai crescendo, crescendo formando uma linda pérola. A irritação, e esse processo da secreção pode durar até 8 anos e a pedra estará pronta de forma natural. Certa vez Jesus disse: “...No mundo tereis tribulações, mas tende bom ânimo, eu venci o mundoJo. 16: 33 Ele nos estava dizendo que os apertos e sofrimentos viriam a fazer parte da nossa vida, mas de modo nenhum nós estaríamos sós, pois Ele venceu por nós. Ao invés de reclamarmos, vamos colecionar pérolas, pois o Espírito Santo irá lubrificando os agentes externos que nos causam sofrimento até que belas pérolas sejam formadas enriquecendo o nosso tesouro. Não nos deixemos escravizar permitindo que alguém  ou algum demônio nos oprima causando-nos tristeza e depressão; a cruz , faz parte da nossa vida cotidiana; não existe cristão sem cruz, porém graças ao Pai que temos também um Cirineu que nos ajuda a levá-la, o Espírito Santo. Não ganhamos nada reclamando da vida, reclamar é andar para trás; o melhor é aumentarmos o nosso tesouro colecionando mais pérolas. Há um hino que diz: Não desanimes por ser tua cruz, maior que a do teu irmão. A mais pesada levou teu Jesus, te consola então.
          Se queremos colecionar pérolas precisamos atentar para o que Paulo diz em Rm. 12:12ª “Alegrai-vos na esperança, sede pacientes na tribulação...” Precisamos valorizar a nossa salvação, ser candidato ao Reino dos Céus, tem um valor incalculável, preço de Sangue, como a boa pérola para o negociante. Que importante exemplo a ostra nos dá transformando o mal em bem, assim devemos fazer.
           O sonho das damas da sociedade era possuir um colar de pérolas embelezando o seu colo. Que o mundo veja que temos um tesouro escondido conquistado com a ajuda de Deus e do Espírito Santo. Glória a Jesus!  
 Rosa Maria Cunha.

terça-feira, 11 de setembro de 2012

O VALOR E AS CONSEQUÊNCIAS DE UM OLHAR


          “Para ti que habitas nos céus, levanto os meus olhos. Eis que como os olhos dos servos atentam para as mãos dos seus senhores, e os olhos da serva para as mãos da sua senhora, assim os nossos olhos atentam para o Senhor nosso Deus...” (Sl. 123.2)
          Este era um dos cânticos que os peregrinos  cantavam a caminho das festas de Jerusalém; os peregrinos erguiam os olhos para Deus em oração. Um olhar sempre determina aprovação ou desaprovação. Isso me transporta para a minha infância de quando mamãe nos controlava com o olhar. Havia momentos em que aquele olhar nos condenava, nos deixava completamente tristes pois sabíamos que mamãe ia conversar seriamente conosco. Nós vamos observar O Valor e as Conseqüências  de um Olhar dentro da Bíblia.
          Gn.24: 63-65 nos fala a respeito de Isaque  que esperava ansioso  a jovem que Deus escolhera para ser sua esposa. Deus sempre nos surpreende  e surpreendeu o jovem Isaque  porque naquela caravana  de camelos vinha Rebeca a jovem dos seus sonhos e que já havia sido escolhida pelo olhar do PAI para sua esposa. Diz a Bíblia que  Isaque ao vê- la  a amou.
           Os nossos olhos são as janelas da nossa alma, eles precisam passar pela ótica de Cristo para que sejam direcionados sabiamente. Em (Jz. 16.4) nós lemos sobre  as conseqüências  funestas do olhar de um jovem que tinha tudo para ser  um vencedor, esse jovem foi Sansão, pois tinha compromisso com Deus, porém não vigiou, e ao olhar Dalila, a paixão dominou o seu coração, o jovem dominador foi dominado; aquele que pôs fogo na seara dos filisteus usando 300 raposas, não vigiou e uma raposinha ficou presa no seu coração, era uma filistea pagã inimiga do povo de Deus; é necessário cuidado com o jugo desigual. Existem conseqüências desastrosas  para quem se detém a olhar o proibido.  A Internet precisa ser olhada com muito cuidado  para não haver queda moral, espiritual e até mesmo abalo familiar.
          A Bíblia  fala de um rei  que foi traído pela sua curiosidade olhando uma dama que se banhava, ele se chamava Davi (2 Sm. 11:2)    As conseqüências desse  olhar proibido custou-lhe  vergonha, e sofrimento moral e espiritual ao rei Davi, porque como está escrito, um abismo chama outro abismo o mal se alastrou chegando ao assassinato. A misericórdia de Deus para ele veio através  do sacerdote Natã que levou-o a reconhecer o seu erro e se arrepender dos seus pecados para receber perdão e restauração.
          At. 3.4 nos relata a respeito de um coxo que se assentava á porta do templo Formosa para mendigar, um dia entravam no templo Pedro e João que se dirigiam a oração da hora nona. Ao pedir-lhes uma esmola, Pedro lhe disse olha para nós. Aquele olhar teve uma conseqüência feliz porque ouviu: Não tenho prata nem oro, mas o que tenho te dou. Em nome de Jesus de Nazaré, levanta e anda. Ele foi curado e ainda entrou no templo saltando e louvando a Deus. Aleluia!.   
           Nm. 21: 8, nos revela o olhar que  trouxe como conseqüência, vida. Os israelitas  após blasfemarem contra Deus e contra Moisés  a ponto de dizerem: A nossa alma tem fastio deste pão vil... em conseqüência Deus mandou-lhes serpentes  abrasadoras  como castigo, que mordiam  os israelitas e eles morriam. O povo foi até Moisés pedindo-lhe que intercedesse a Deus em favor deles. Deus ordenou que uma serpente de bronze fosse colocada em uma haste, e os feridos  ao olharem pra ela seriam sarados. A serpente era uma figura de Jesus que ao ser levantado na cruz do Calvário trouxe salvação a todos os homens. Ele disse: E eu quando for levantado da terra, todos atrairei a mim. Jo.12: 32 Esse olhar trouxe cura e vida.
          Concluindo esta meditação, não podemos esquecer-nos do olhar que mudou a vida de um homem ferido pela sua consciência (Lc. 22.61)  Pedro estava sofrendo peso de consciência por haver negado a Jesus, mesmo tendo sido avisado.  Jesus foi preso, Pedro de longe acompanhava os acontecimentos enquanto aquecia-se com os demais na fogueira; vieram os  acusadores, e Pedro negava, negava, negava; nesse momento o galo cantou. Volvendo-se Jesus olhou para Pedro e Pedro lembrou-se do que Jesus lhe falou. O olhar de Pedro no olhar cheio de ternura de Jesus, provocou arrependimento em Pedro que chorou amargamente.
          A quem diriges o teu olhar? Não podemos desviar o foco da pessoa de Jesus, ele disse: Olhai para mim , e sereis salvos, vós, todos os termos da terra.  Is.45: 22.
Rosa Maria Cunha

sexta-feira, 24 de agosto de 2012

PASSA LA EM CASA, JESUS



               Essa era a súplica de um pai aflito, esse homem era um régulo ( oficial do rei ), cujo filho estava enfermo em Cafarnaum;  aflito ele saiu em busca de Jesus que se encontrava em Caná da Galiléia. A fama de Jesus corria por toda a parte, viste que, muitos haviam ido a Jerusalém por ocasião da grande festa e viram tudo que Jesus havia realizado ali. No ministério de Jesus dentre outras coisas se destacavam os milagres. Enquanto uns estavam felizes, aquele pai estava aflito, pois seu filho estava à morte;  ele chegou a Jesus e disse: “Senhor, desce, antes que meu filho morra”. (Jo. 4: 49), em outras palavras ele quis dizer: Senhor, passa lá em casa, antes que meu filho morra. Muitos hoje estão fazendo este mesmo pedido: Senhor passa lá em casa, meu filho é um viciado, fica violento, desconhece a nossa autoridade de pais, por favor, passa lá em casa.  Outros  estão dizendo: Jesus, passa lá em casa, eu e minha esposa estamos  quase nos divorciando, não nos entendemos mais, não sei o que fazer, por favor, Pai, passa lá em casa. No texto base em ( Jo. 4: 43-53 ) Jesus não precisou ir à casa do oficial do rei, apenas disse: Vai o teu filho vive. (v.50 ) Ao chegar á casa e certificar-se do milagre, ele e toda a sua casa creu em Jesus, ou seja a salvação alcançou a toda a sua família (v. 53 ). Quando Jesus passa pela nossa casa ele muda a nossa história, ele muda a nossa condição, transforma situações ao nosso ver impossíveis de serem resolvidas; ele edifica no meio das cinzas.
               Certa vez visitava um lugar no interior do Pará, de repente minha atenção foi despertada para uma enorme árvore, era uma castanheira que parecia haver sido tombada há algum tempo, o caule já estava se desfazendo, porém, me deparo com algo maravilhoso. Uma plantinha bem viçosa com florezinhas  amarelas brotava do âmago  daquela velha árvore. Pensei, como pode acontecer isso? Só Deus pode fazer surgir vida de dentro da morte. É o que Jesus fez quando passou na nossa vida. Ele passou  por Jericó e a tristeza do cego transformou-se em alegria, pois ele foi curado. Jesus passava por Naim e uma viúva chorava levando seu filho morto para sepultar, Jesus disse a ela: Não chores, em seguida ordenou ao jovem levantar. A tristeza da mulher transformou-se em alegria, porque Jesus passava por ali. Ele entrava em Jericó e ali em uma figueira brava  um homem ansioso por  conhecer a Jesus estava sentado num dos galhos da velha árvore. Jesus olhando para cima disse: Zaqueu, desce depressa porque hoje desejo pousar ( passar ) pela tua casa. Aquela visita resultou em perdão, restituição e salvação para Zaqueu e toda a sua casa. Jesus passou pela casa de Zaqueu.(Lc.19 ) Passa lá em casa Jesus, faça essa oração e ele acalmará as turbulências da sua vida. Ele fará novas todas às coisas porque ele é Deus; Jesus é Deus e todo poder lhe é dado no céu e na terra. Aleluia!     
Rosa Maria Cunha

sexta-feira, 17 de agosto de 2012

UNIDOS NO MESMO PROPÓSITO


               Esta passagem bíblica em (Mc.2: 1-12 ) revela parte do ministério de Jesus contando com o apoio dos fieis que faziam parte daquele abençoado ministério. Onde estava Jesus, havia um interesse comum de participação. Eu sempre ouvi que a união faz a força. Aquele grupo era forte e invencível porque viviam unidos no mesmo propósito.
               Para realizar a obra de Deus é necessário parceria; todos estavam prontos para divulgar, de pessoa para pessoa, aos vizinhos, aos amigos, de forma que a afluência era total. Jesus sempre teve homens e mulheres ao seu lado, simples despidos da vaidade dos títulos, mas que agiam pelo impulso do amor, e o grande desejo de sentirem-se úteis na divulgação da mensagem do Evangelho.
                Jesus se encontrava em uma casa lotada de pessoas ávidas por ouvi-lo; porém quatro amigos estavam empenhados em conduzir um homem paralítico até a presença de Jesus; certamente eles já o haviam informado a respeito das obras que Jesus fazia e dos seus milagres, a ponto do paralítico ficar motivado e desejoso de ir até Jesus. Os quatro amigos tinham o mesmo sentimento, o mesmo propósito, eram homens de fé, eram pessoas especiais. Jesus sempre selecionou pessoas especiais para realizarem a sua obra. Essas pessoas são trabalhadas e aprovadas, pois Jesus sempre foi criterioso e os seus escolhidos são passados na “peneira fina” (seleção ) de forma que eles se tornam uma turma de elite especial e capaz de realizar proezas no nome do Senhor Jesus. Parece fácil, mas não é tão fácil conduzir uma pessoa naquela condição com os parcos recursos que eles dispunham, atravessando a cidade caminhando naquelas ruas precárias. Os quatro foram desafiados a superar inúmeros obstáculos, esforço físico, a multidão, que também é um grande obstáculo, porque vem a crítica, comentários desagradáveis, murmurações, dificuldade de locomoção e por último, portas fechadas, pois o texto diz: ”...que nem ainda nos lugares junto a porta cabiam...”; não sei qual seria a minha ou a sua  reação, porém, para os quatro amigos nada os impediu de levar a cabo o seu objetivo, e sobre tudo  a alegria de ser um canal de bênção para levar alguém a Cristo. O trabalho foi árduo, ousado, mas eles conseguiram colocar aquele homem diante de Jesus. Venceu o desprendimento, a perseverança, o espírito de cooperação e, sobretudo a fé, porque “Sem fé é impossível agradar a Deus.
                O milagre aconteceu porque havia uma atmosfera propícia, a atmosfera da fé. “E Jesus vendo a fé deles...” A fé tomava conta do ambiente, Jesus quer ver a nossa fé para mostrar-nos as suas obras; naquele momento em especial era o momento para os quatro amigos e mais o paralítico; e o milagre aconteceu. Primeiro o perdão  dos seus pecados cujo mal poderia levá-lo a separação total de Deus, depois em resposta aos comentários de alguns infiéis que ali  estavam, ordenou: “Levanta-te, e toma o teu leito e vai para a tua casa”. Todos ficaram maravilhados e disseram: “Nunca tal vimos.”. Hoje a situação não é diferente, muitas pessoas estão sentadas no  “meio fio da vida” esperando alguém que os leve a Jesus. O grande general passa em revista o seu exercito, você e eu fazemos parte dele, e ele conta conosco para darmos prosseguimento a nossa tarefa comissionada por ele; como membros de uma Igreja façamos a nossa parte e como uma comunidade cristã estejamos unidos no mesmo propósito tendo a visão de reino anunciando o Evangelho da Graça.
                                                                                                                         Rosa Maria Cunha.